devaneios online

posts recentes

Novo Código da Estrada ap...

Kit Assalto ?

Kiva, um ano

coisas...

Actividades sexuais!

CUIDADOS SEXUAIS PARA APO...

MusiCÃO ...

Bugs Bunny, pelo 'pai'

Arrumar a mala é fácil

Vinnie Jones ensina a sal...

mini boss

Ge Ni Al

...

A importância dos detalhe...

Angry football birds?

Publicidade criativa

Hmm.. medo de motoqueiros...

Garfield?

gatos (desta vez com água...

Silicone com fartura

Publicidade

subscrever feeds

arquivos

Julho 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Sexta-feira, 14 de Março de 2008

Cavalheirismos..

Meus caros, quando foi a última vez que abriram uma porta e deram passagem a alguém?
Neste nosso mundo em constante agitação, parece que nem sempre há tempo para esse tipo de delicadezas. Puro engano. Há sempre. Arriscar-me-ia até, a dizer que agora, mais do que nunca, é necessário recuperarmos alguns destes sinais de educação e de civismo. Afinal, não custa assim tanto, e o efeito acumulado pode ser bastante interessante.

É verdade que não o faço sempre, mas, sempre que me lembro, ou que reparo que vem lá mais alguém, eu abro a porta, e seguro-a para que a(s) outra(s) pessoa(s) passe(m).
Eu fui educado assim, e é engraçado que nunca pensei muito no assunto, mas, agora que já sou um pouquinho mais velho, reparo que os efeitos dessa educação ainda persistem. Fico contente por isso.

No outro dia, ao preparar-me para subir as escadas do metro, mesmo junto ao trabalho, deparei-me lá com uma senhora que trazia um carrinho de bebé. Perguntei-lhe se a podia ajudar, e reparei que a sua primeira reacção foi de surpresa. No entanto, aceitou, e lá a ajudei a trazer o carrinho para cima.
(O facto do metro não ter rampas de acesso ou elevadores em todas as estações é outra coisa que não compreendo)
A mim, custou-me talvez 20 ou 30 segundos. À senhora, ajudou bastante, pois penso que sozinha não conseguiria subir os degraus. O mais incrível, é que à minha frente vinham várias pessoas, que eu vi passarem ao lado da senhora, e seguirem em frente. Homens, mulheres, jovens, e menos jovens, todos passaram ao largo.

Depois queixamo-nos "Já não há respeito por ninguém", "Ninguém nos ajuda", "Ai que este mundo está perdido!". No entanto já pensaram se fazem a vossa parte?
Hein?
publicado por AReis às 23:24
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De gamboa a 15 de Março de 2008 às 03:02
Pah, ok, ficaram surpreendidos por seres tu. Sendo eu um gajo mais novo, por acaso reparo nisso. E por acaso tenho sempre esse cuidado quando reparo que há mais alguém ou então alguém precisa de ajuda.

E sim, noto bastante a reacção de surpresa nas pessoas por ser um gajo novo. Enfim...

Sim, confesso... quando são gajas boas também faço questão de ser prestável :-)

Comentar post

Publicidade

disclaimer
AReis
My Tech blog
Aquecedores a óleo
Arrendar Casa
Classificados grátis

pesquisar

 

tags

todas as tags

LibraryThing

Publicidade