devaneios online

posts recentes

Novo Código da Estrada ap...

Kit Assalto ?

Kiva, um ano

coisas...

Actividades sexuais!

CUIDADOS SEXUAIS PARA APO...

MusiCÃO ...

Bugs Bunny, pelo 'pai'

Arrumar a mala é fácil

Vinnie Jones ensina a sal...

mini boss

Ge Ni Al

...

A importância dos detalhe...

Angry football birds?

Publicidade criativa

Hmm.. medo de motoqueiros...

Garfield?

gatos (desta vez com água...

Silicone com fartura

Publicidade

subscrever feeds

arquivos

Julho 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Sexta-feira, 18 de Junho de 2010

2010 O ano da morte de Saramago

José de Sousa, universalmente conhecido, e merecidamente aclamado, como José Saramago morreu.

Não o conheci, senão por alguns dos seus livros que li, e de uma ou outra aparição nas televisões, mas havia algo na sua irreverência que me agradava.

Não li todos os seus livros, mas o primeiro que li marcou-me de tal forma que nunca mais o esqueci. Foi o magnífico Memorial do Convento.

Não me foi fácil lê-lo. Ao princípio estranhei, e muito, a sua forma de escrever com a sua pontuação contrária a tudo o que me tinham ensinado, mas com insistência, e com algum esforço de concentração consegui entrar no ritmo, e depressa o terminei. Passado algum tempo, e mais alguns livros, é que percebi que ler um livro de Saramago, não é uma tarefa de lazer. Não é um autor que se leia na desportiva, como quem lê um jornal de anúncios de ocasião com a atenção partilhada com outra coisa qualquer. Saramago escreve escrevia de uma forma que nos obriga a dar-lhe atenção, a "ouvirmos" o que ele tem para dizer. E aí sim, podemos realmente apreciar a mensagem.

Saramago foi polémico. É o mínimo que se pode dizer dele. Mas, independentemente de concordarmos ou não com as suas ideias, quer as políticas, quer as religiosas, quer quaisquer outras, temos de reconhecer a genialidade do personagem Saramago. Não é qualquer autor que escreve sobre religião, sobre o amor, a morte e a vida como Saramago o fez. Não tinha medo de polémicas e lembro-me de algumas farpas que lançou aos seus críticos como "Eu li a bíblia, e os senhores leram o meu livro?".

Tinha ideias originais, e sabia explorá-las. Quem mais se lembraria de dar sentimentos humanos à morte, e pô-la a apaixonar-se?

Um ponto comum, e isto é obviamente a minha interpretação, é a compaixão pelas fraquezas humanas. Todos somos falíveis, e Saramago incorporou essa faceta nas suas histórias de modo admirável.

 

Não foi muito bem tratado pelo estado português, e isso deve-lhe ter custado imenso. No fundo é apenas prova da nossa tacanhez, que no dia da sua morte, em que o primeiro ministro decreta, e bem, luto nacional, na assembleia legislativa dos Açores, os partidos lá representados não se conseguiram pôr de acordo para aprovar um voto de pesar pela morte de José Saramago.

 

AR

tags:
publicado por AReis às 22:31
link do post | comentar | favorito
|

Publicidade

disclaimer
AReis
My Tech blog
Aquecedores a óleo
Arrendar Casa
Classificados grátis

pesquisar

 

tags

todas as tags

LibraryThing

Publicidade