devaneios online

posts recentes

Novo Código da Estrada ap...

Kit Assalto ?

Kiva, um ano

coisas...

Actividades sexuais!

CUIDADOS SEXUAIS PARA APO...

MusiCÃO ...

Bugs Bunny, pelo 'pai'

Arrumar a mala é fácil

Vinnie Jones ensina a sal...

mini boss

Ge Ni Al

...

A importância dos detalhe...

Angry football birds?

Publicidade criativa

Hmm.. medo de motoqueiros...

Garfield?

gatos (desta vez com água...

Silicone com fartura

Publicidade

subscrever feeds

arquivos

Julho 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Quinta-feira, 29 de Julho de 2010

6 anos não chegaram

Uma das notícias do dia foi a de que os procuradores encarregues do processo freeport queriam inquirir o Sr. Primeiro Ministro, José Sócrates, e que só não o fizeram porque a Procuradoria Geral da República definiu um prazo limite para o processo.

 

Politiquices à parte, é este o retrato da nossa justiça, e os leigos, como eu, tiram daqui várias leituras:

* Em 6 anos, sempre se ouviu falar no nome de José Sócrates, e nunca ninguém pareceu querer inquiri-lo.

* Afinal parece que até havia uma lista de 27 perguntas, que os Srs. procuradores queriam fazer a José Sócrates, e que nunca tinha sido apresentada.

* Houve vários procuradores a tratar deste processo, ao longo dos tais 6 anos e parece que estes últimos estavam com o processo há mais de um ano e meio.

 

Aposto que se não tivesse sido fixado um prazo limite para o terminus do processo, ninguém teria vindo a público dizer que achava necessário inquirir José Sócrates. Ninguém falaria na tal lista de 27 perguntas, e nós, povo contribuinte, teríamos continuado, alegres e contentes a pagar os vencimentos dos procuradores, e de todo o staff acessório, durante mais um bom par de anos, até que o processo prescrevesse. (Santos empregos)

 

Assim como assim, não se esperava que alguém acusasse formalmente o Primeiro Ministro, pelo que o melhor é mesmo acabar com a palhaçada de um processo que se arrastava já há demasiado tempo. Sempre se poupa algum dinheiro.

 

Em jeito de conclusão devo dizer que não gosto de José Sócrates, não gosto de Pinto Monteiro, actual procurador geral da república, e só não cito os procuradores, porque não os conheço, nem sei quantos são, mas também não gosto deles.

É por estas e por outras, que a generalidade da população não confia, nem nos políticos, nem na justiça portuguesa.

Pobre país em que isso acontece...

 

Referências:

MP não fez 27 perguntas a Sócrates sobre Freeport por falta de tempo

PGR vê com "surpresa" necessidade de mais inquirições no caso Freeport


publicado por AReis às 21:29
link do post | comentar | favorito
|

Publicidade

disclaimer
AReis
My Tech blog
Aquecedores a óleo
Arrendar Casa
Classificados grátis

pesquisar

 

tags

todas as tags

LibraryThing

Publicidade