devaneios online

posts recentes

Portugal vs Coreia do Nor...

Publicidade

subscrever feeds

arquivos

Julho 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Segunda-feira, 21 de Junho de 2010

Portugal vs Coreia do Norte

Sou português, e gosto de futebol. Sou adepto do Benfica, e há 30 anos atrás dei uns chutos na bola com mais umas dezenas de putos como eu, nuns treinos de captação para o Vitória de Setúbal. É esse o limite da minha cultura futebolística. Mas, como disse lá atrás, gosto de futebol. E gosto principalmente de ver um bom jogo. E um bom jogo, na minha opinião tem de ter golos. Ou, se não os tiver, que tenha ao menos jogadas para golo, e muitas de preferência.


Não sou grande grande conhecedor do mundo da bola. Para mim o jogo acaba quando o árbitro apita, e eventualmente terá mais 10 ou 20 minutos de comentários, a seguir ao jogo onde me permito opinar sobe uma ou outra jogada, uma ou outra característica do jogo. E isto se tiver visto o jogo até ao fim, pois muitas vezes, se o jogo não tiver ritmo, largo-o e vou ver ou fazer outra coisa.
Serve isto para dizer que este último ano vi vários jogos. O "meu" Benfica jogou como não jogava há vários anos, e consequentemente teve a minha atenção. Vibrei com o campeonato, e espero que para o ano consiga voltar a fazer grandes exibições.


A outra equipa que me faz ver futebol é obviamente a selecção nacional. E naturalmente gosto de os ver jogar bem, e marcar golos. Na era Queiroz isso não tem acontecido tanto quanto nós desejamos. Muitas vozes se levantaram contra Queiroz, e eu próprio, com os meus parcos conhecimentos achei que com ele ao leme a nossa selecção não iria muito longe. Outra coisa que nunca me agradou, foi a questão das naturalizações. Naturalizar jogadores, por muito bons que sejam,  para os colocar na selecção é legal, mas quanto a mim errado. Não conheço nenhum dos 3 que jogam actualmente na nossa selecção, mas duvido que sintam a camisola da mesma forma que os que cá nasceram, e que tiveram por ambição ao longo da sua carreira, merecer envergar essa camisola. Aqueles 3 escolheram a camisola portuguesa quando viram que não havia hipótese de envergar a camisola canarinha, pela qual certamente também terão ansiado durante a maior parte das respectivas carreiras. Não me agrada ficar com a segunda escolha.

Mas, mesmo fazendo contas e com alguns sustos pelo caminho, a nossa selecção lá se qualificou para o campeonato do mundo. Notou-se que o entusiasmo desta vez não era o mesmo de outras competições, e os jogos de preparação não ajudaram muito. O povo queria vitórias e golos, e obtinha jogos defensivos, e calculistas, com um ou outro golito. muito pouco para o que se desejava.E as questões sucediam-se. Foi o não convocar de alguns jogardes, como o João Moutinho, que tendo feito os jogos de apuramento, merecia, na minha opinião ter sido convocado. Foi o caso do José Castro, chamado para mais tarde ser mandado para casa. Foi o número excessivo de defesas que constam dos seleccionados. Já na África do Sul, foi a clavícula do Nany, que nas vésperas de um controlo anti-doping, obrigou o atleta a regressar a casa. Depois do empate com a Costa do Marfim, com uma exibição fraca, foi a vez de Deco proferir umas afirmações polémicas, prontamente desmentidas, mas que aparentemente lhe provocaram uma lesão na anca. Enfim várias coisas que todas juntas não pronunciam nada de bom. E o povinho português, amante da bola, comprou jornais, e perdeu horas a discutir estas coisas. Treinadores e comentadores de sofá, todos quisemos deixar bem marcada a nossa falta de confiança na selecção, e no seu treinador.


Hoje, sai um pouco mais cedo para almoçar. A ideia era ver o jogo de Portugal contra a Coreia do Norte, pelo menos a primeira parte durante o almoço. Fui almoçar a um sítio onde várias outras pessoas tinham tido a mesma ideia. E, mesmo sem grande confiança, lá estávamos a ver o jogo. O início foi morno. Aliás pareceu-me que a Coreia até estava mais organizada do que a nossa equipa. Houve alguns remates de parte a parte, com Ronaldo a acertar na trave. Parecia uma repetição de jogos anteriores.Até que surgiu o primeiro golo. Todos se levantaram, gritaram e pensaram que a coisa afinal até se compunha. E veio o segundo, depois o terceiro. Aí a Coreia perdeu o rumo, e tudo se precipitou. Foram golos atrás de golos, quase a perder a conta. 
Acabei por ter pena dos coreanos, que quiseram jogar de igual para igual, e sofreram uma derrota humilhante. Não sei se não haverão consequências extra-futebol quando voltarem a casa. No final, o marcador contava 7 para a nossa equipa. Abraços, sorrisos e muita felicidade, e já se ouviam pessoas a ironizar, dizendo que sempre tinham acreditado no Queiroz. Obviamente que festejei os golos, e vibrei com a vitória, mas continuo a não gostar do Queiroz como seleccionador. Não sei como vai ser com o Brasil, mas muito dificilmente mudarei de opinião.


No entanto, eles que venham, que até os comemos!!!

publicado por AReis às 21:58
link do post | comentar | favorito
|

Publicidade

disclaimer
AReis
My Tech blog
Aquecedores a óleo
Arrendar Casa
Classificados grátis

pesquisar

 

tags

todas as tags

LibraryThing

Publicidade