devaneios online

posts recentes

Oliveira e Costa no parla...

Publicidade

subscrever feeds

arquivos

Julho 2013

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Maio 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Terça-feira, 13 de Janeiro de 2009

Oliveira e Costa no parlamento? Mas porquê?

Quem visita este blog já deve ter reparado que não costumo discutir opções políticas e outras matérias que no fundo são da convicção íntima de cada um.

 

No entanto, hoje apetece-me comentar a notícia que dá conta que o Sr. presidente do BPN, que está detido enquanto se averigua o que aconteceu no banco por ele presidido, compareceu na Assembleia da República, a pedido desta, para ser ouvido. Logo na altura, quando soube que a AR o queria ouvir achei estranho. Devo ter pensado para comigo "Alguém que ficou entalado". No entanto apenas hoje pensei mais um pouco no caso.

 

Eu não sou jurista, nem nada que se pareça, mas tenho ideia da existência de uma coisa que, salvo erro meu, tinha o nome pomposo de separação de poderes. Queria isso dizer que os diferentes poderes, legislativo, judicial e (penso que) administrativo, estavam legalmente separados e compartimentados para que um não pudesse interferir no outro. Ou seja, quem faz as leis, não é quem as aplica. Precisamente, penso eu, para evitar situações de proveito próprio, ou algo muito parecido.

 

Ora, então, alguém me consegue explicar porque é que o Sr. foi chamado à AR?

E, ainda para mais, quando já decorre uma investigação judicial.

 

Pondo de parte as teorias da conspiração, das quais até sou particularmente adepto, só vejo duas hipóteses, e nenhuma delas me agrada.

 

A primeira, é a de que o poder legislativo não confia no poder judicial. Eu até sou bastante crítico do sistema judicial português. Não o conheço em pormenor, mas a minha principal crítica refere-se à morosidade com que a maioria dos processos é tratada. Idealmente a justiça deveria ser ágil e dinâmica. Ninguém deveria ter de esperar anos pelo terminus de um processo. Mas, mesmo com os problemas que todos lhe reconhecemos, é ao sistema judicial, que compete exercer o poder judicial. Não é à AR que compete ajuizar da culpabilidade do Sr.

 

A segunda hipótese, é a de que a AR (na pessoa dos seus deputados) se está a preparar para fazer um aproveitamento político de uma situação, em que ainda não se sabe se o Sr. é culpado ou não.  Não me admiraria muito que assim fosse. Infelizmente, a grande maioria dos nossos políticos, não inspira grande confiança aos portugueses, pelo que muito boa gente já está a embarcar nas mais variadas teses, combinando os interesses políticos do Sr. com as diferentes facções e personalidades políticas.

 

Isto seria cómico se não fosse tão trágico.

 

AR

 

 

publicado por AReis às 22:49
link do post | comentar | favorito
|

Publicidade

disclaimer
AReis
My Tech blog
Aquecedores a óleo
Arrendar Casa
Classificados grátis

pesquisar

 

tags

todas as tags

LibraryThing

Publicidade